09/11/2016

Resenha: Os Homens que não Amavam as Mulheres


Título: Os Homens que Não Amavam as Mulheres (Millennium #1)
Autor(a): Stieg Larsson
Editora: Cia das Letras
Páginas: 528
Os homens que não amavam as mulheres é um enigma a portas fechadas - passa-se na circunvizinhança de uma ilha. Em 1966, Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial, some sem deixar vestígios. No dia de seu desaparecimento, fechara-se o acesso à ilha onde ela e diversos membros de sua extensa família se encontravam. Desde então, a cada ano, Henrik Vanger, o velho patriarca do clã, recebe uma flor emoldurada - o mesmo presente que Harriet lhe dava, até desaparecer. Ou ser morta. Pois Henrik está convencido de que ela foi assassinada. E que um Vanger a matou. Quase quarenta anos depois, o industrial contrata o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular. Mikael, que acabara de ser condenado por difamação contra o financista Wennerström, preocupa-se com a crise de credibilidade que atinge sua revista, a Millennium. Henrik lhe oferece proteção para a Millennium e provas contra Wennerström, se o jornalista consentir em investigar o assassinato de Harriet. Mikael descobre que suas inquirições não são bem-vindas pela família Vanger, e que muitos querem vê-lo pelas costas. De preferência, morto. Com o auxílio de Lisbeth Salander, que conta com uma mente infatigável para a busca de dados - de preferência, os mais sórdidos -, ele logo percebe que a trilha de segredos e perversidades do clã industrial recua até muito antes do desaparecimento ou morte de Harriet. E segue até muito depois... até um momento presente, desconfortavelmente presente.

Essa é uma resenha que facilmente poderia fazer parte daquele projeto relendo e resenhando (estamos em novembro e já falhei nele kk) mas infelizmente não é. A primeira vez que li esta obra foi em meados de 2011 e naquela época eu não era uma leitora tão ativa e lembro-me de ter ficado apaixonada por este livro. A releitura não me fez mudar de ideia mas me deu outras impressões sobre a obra. Cinco anos se passaram e muita coisa mudou em mim. Minha percepção da sociedade e opinião sobre ela. Hoje em dia o feminismo é um assunto muito mais recorrente no dia a dia e posso dizer que sei um pouco mais sobre o que significa isso; assim como ao longo desses anos eu acabei me interessando mais por outros assuntos que são tratados na obra (menos economia e tal). Então com isso a leitura se tornou muita mais séria, com um novo significado, do que como apenas uma leitura de ficção. O fato é que Lisbeth continua sendo uma heroína a sua maneira, no meu ponto de vista. Eu ainda não sei pelo que ela passou e espero que seja algo que o autor tenha inserido nos outros dois volumes da trilogia, mas o pouco que aparece neste eu com certeza me apaixonei por ela. Uma personagem forte e difícil de ser descrita. Em primeiro lugar Lisbeth é tudo o que a nossa sociedade ignora e às vezes até odeia. Não nego o fato de ela ser uma criminosa, mas acho que a nossa maneira somos todos. Gosto da forma como ela vai atrás do que quer, seja para o bem ou para o mal. Sua frieza e até o ponto em que ela começa a ceder. Ela é uma personagem difícil de entender completamente mas que conquista o leitor.


O maior mistério do livro gira em torno do desaparecimento (ou morte?) de Harriet, de uma das famílias mais ricas e tradicionais da Suécia. Seu tio esteve obcecado por cerca de 40 anos nessa história e em uma ultima tentativa de saber o que houve com a sobrinha contrata Mikael para fazer uma última investigação. Por mais que esse seja o plot principal tem tanta coisa paralela acontecendo na história que em alguns momentos é difícil de acompanhar (mas muito bom). Mikael tem seus próprios problemas com a justiça por conta de uma matéria que ele escreveu para sua revista — a Millennium. Para mim o único pecado da obra foi a demora para juntar Mikael e Lisbeth na investigação de Harriet. Okay, foi algo necessário para o desenrolar da obra, já que ficou bem perceptível a intenção do autor de mostrar para os leitores como e quem é Lisbeth antes de nos mostrar sua motivação para esse caso, mas os dois são tão bons juntos que é até um pouco chato de lembrar que eles ficaram metade do livro separados.

Mikael é um personagem mais comum, eu achei. A maior diferença dele para outros personagens masculinos é a sua visão das coisas. Ele não é machista, ele não se importa com esteriótipos, e ele esta bem consigo mesmo, até nas piores das situações. Diante do desenvolvimento da narrativa (eu não vou dar detalhes, mas percebe-se que tem algo relacionado à homens que odeiam as mulheres pelo titulo) Mikael nunca fez um mal julgamento.

Obviamente os filmes não fazem jus ao livro, então se você assistiu qualquer uma das duas versões da adaptação dê uma chance ao livro pois seu conteúdo sobre a investigação e a personalidade dos personagens são bem mais detalhadas. Clichezão falar assim, mas após terminar a leitura eu assisti a adaptação sueca e fiquei um pouco triste por não sentir que Lisbeth foi tão bem retratada, mesmo com a excelente atuação da Noomi Rapace. De qualquer forma a leitura desta obra é recomendada para quem gosta de romance investigativo (policial?) e quem procura um livro que trate de assuntos atuais (mesmo que o livro tenha sido publicado ha mais de dez anos) e principalmente feminismo.

7 comentários:

  1. Oi Sil!
    Faz algum tempo que comprei a trilogia, mas ainda não li :/ as vezes dá vontade de passar ele na frente de todos da fila haha.

    Beijos,
    Epílogos e Finais

    ResponderExcluir
  2. Silviane, fica tranquila que nos outros livros o autor conta tudo e mais um pouco sobre o que aconteceu com Lisbeth.
    É sinistro!
    Eu li o novo livro da série há alguns meses e vi a leitura também de forma muito mais profunda. Li o primeiro em 2010, tem teeeeeeempo já. Como a gente muda a forma de ver o mundo, né?

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Sil.
    Realmente as adaptações para o cinema não fazem jus ao livro.
    Li esse livro faz tempo também, depois da sua resenha deu até vontade reler.
    Beijo

    Te Conto Poesia ♥

    ResponderExcluir
  4. Oi Sil!!

    Eu não vi o filme, mas confesso que estava com vontade, mas agora depois dessa ressenha acho mesmo melhor começar pela trilogia de livros!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oiii Sil

    Esse é um daqueles livros "Ame ou Odeie". Conheço gente que leu e amou a série toda, pelo menos os livros escritos pelo autor original, porque os ultimos não são dele. Conheço gente que não conseguiu gostar do estilo de narrativa.
    Eu tenho o pé atrás com esses livros, medo de entrar pra turma dos que tiveram dificuldades com o estilo do autor, ainda assim, esse é um daqueles livros que espero um dia poder ler e conferir, já que sempre é muito falado.

    Beijos

    unbloglitteraire.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
  6. Bem não conheço a trilogia, mas gosto de romance policial ou investigativo, fiquei curiosa...quero saber quem é Lisbeth, de quem você dá um destaque na resenha.

    ResponderExcluir
  7. Oi Sil!
    To com essa série aqui ha uns dois meses e to esperando o momento certo pra ler, sou fascinado por esse genero e quero ter a experiencia perfeita. Adorei sua resenha, lembro pouco do filme e de fato o feminismo está bem envolvido, pena ter sido uma adaptação ruim.
    Espero gostar da série.
    Um abraço!
    http://leituraforadeserie.blogspot.com/

    ResponderExcluir


Obrigada por comentar no Estilhaçando Livros. Se você tiver um blog deixa seu link que vou retribuir a visita com o maior prazer.