05/04/2016

Resenha: Iaiá Garcia

O primeiro livro de Machado de Assis que eu li foi Memórias Póstumas de Brás Cubas na faculdade e me apaixonei. Depois eu ganhei um enorme livro e nele tinha alguns contos de Machado. Desde então eu tenho lido (tentado) tudo dele. Não sou especialista nas obras machadianas, mas posso dizer que gosto muito dele. Acontece que as suas obras mais conhecidas são o Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro, e devido a má fama que esses livros têm de serem uma leitura difícil e cansativa, muitos não tiveram a chance de conhecer o outro lado de Machado de Assis. Um lado mais Jane Austen do que o que conhecemos pelo fundador do Realismo no Brasil.




Título: Iaiá Garcia
Autor(a): Machado de Assis
Editora: L&PM
Páginas: 219
Onde comprar: Livraria da Travessa
Mais informações no Skoob
Muito mais do que uma simples história de amor, Iaiá Garcia é o retrato de uma sociedade hierarquizada, na qual o casamento era uma das formas mais comuns de ascensão social. É neste universo que gravitam Luís Garcia, Estela, Jorge e Iaiá, personagens que fazem parte de uma intriga amorosa.







Como meu primeiro contato com Machado de Assis foi com o seu livro mais introspectivo, tive uma grande e deliciosa surpresa quando descobri que seus livros na fase do Romantismo muito se comparavam a maior romancista de todos os tempos; Jane Austen. Então eu tenho me perguntado por que os livros de Machado não são tão populares quando os de Jane aqui. Bem, acontece que eu tenho várias razões, mas não é um assunto para hoje. Hoje, minha intenção é fazer os leitores de Jane Austen verem que ler Machado de Assis é tão prazeroso quanto ela.
O coração humano é a região do inesperado.

Machado é mestre em descrever as pessoas, não apenas caracteristicamente falando, mas ele desvenda os personagens de fora para dentro, como se tivesse completo conhecimento de tudo sobre eles. Ele gosta de falar sobre as pessoas, assim como Jane em seus livros fala sobre as pessoas.  Então nesse livro, logo de cara a gente conhece o interior de Luís Garcia; um pai solteiro e quarentão que há muito tempo perdera a esposa, taciturno e distraído. Um cara velho e chato, em outras palavras.
Essa mulher vale mais que seu destino, e a lei do coração é anterior e superior às outras leis.
Pg. 86

Bem, acontece que por Luís Garcia ser um grande amigo da família de Valéria, esposa do falecido desembargador e mãe de Jorge, Valéria o chama à sua casa para que ele aconselhasse o filho a desistir de uma paixão “não apropriada”. Valéria é uma mulher da idade de 48 anos, muito manipuladora e mesquinha (que vilãnzinha nojenta!), que apadrinhou Estela, uma garota que não tinha onde cair morta, cujo relacionamento desvalorizava alguém com a posição social de seu filho.  Só que Luis Garcia é muito na dele, e ele aceitou aconselhar Jorge mesmo não concordando com os ideais de Valéria. Então é claro que ele não conseguiu fazer a cabeça de Jorge, que tinha uma adoração e genuíno amor por Estela. Como não conseguiu o que queria, Valéria manipulou o filho a ir para a guerra a fim de ele esquecer a garota. Vendo que não conseguiu fazer com que nem os problemas da guerra Estela saísse da cabeça de Jorge, Valéria mexe seus pauzinhos e manipula Estela a achar que Luís Garcia era sua única segurança no mundo e os casam! 
O destino decidiu por outro modo, como se quisesse contrastar cada um de seus favores fazendo-lhes sangrar o coração.

O problema de tudo era Estela. Quando Jorge a propôs em casamento e se declarou, ela não o aceitou mesmo gostando dele de volta, só porque sabia que Valéria não os aprovariam. O amor dele não bastava para ela, e Estela precisava da aprovação de alguém que jamais lhe daria o que queria. Então Estela recusou Jorge e aceitou Luís Garcia porque ela se convenceu de que ela era merecedora dele. Estela é muito orgulhosa e decidida sobre as coisas, e essa atitude dela dá vontade de entrar no livro e fazer vê-la o que ela está fazendo, mas dá pra entendê-la, apesar de tudo. Uma pessoa orgulhosa não admite ser apenas tolerado. Até porque, mesmo sendo uma jovem, Estela era um pouco sombria e fria, então era como se viver com um homem mais velho numa casa mediana e ganhar uma enteada fosse o suficiente pra sobreviver. 
Parece que em geral os casamentos começam pelo amor e acabam pela estima; nós começamos pela estima; é muito mais seguro.

Bom, então quando Jorge volta da guerra, temos Jorge que ainda ama Estela e que o ama, mas que agora é casada com Luís Garcia. Porém, ela não dá indícios nenhum de que ama Jorge de volta, e igualmente é fria em relação a ele. Luís Garcia nunca soube quem era a mulher que Jorge amava e que o amava de volta, então Jorge visitava sua casa diariamente sem saber disso. Mas Iaiá, a filha de Luís Garcia, descobre o passado de Estela e Jorge, e coloca na sua cabeça que os dois ainda estão se encontrando mesmo Estela estando casada com seu pai. E então ela decide que irá fazer Jorge se apaixonar por ela a fim de ele esquecer Estela e para que seu pai nunca descubra sobre os dois.
— Façamos as pazes.
— Nunca estivemos em guerra, acho eu.
— Talvez em vésperas de guerra.
— Não por minha culpa.

Iaiá não suportava o Jorge, mas depois que ela descobre sobre ele e Estela, ela começa a mudar em relação a ele, e até Jorge percebe isso, e os dois começam a ficar próximos, até que chega um ponto que ela se apaixona por ele e ele por ela. <3
— Eu duvido de tudo e de todos; até de mim. Mas enfim, preciso de alguém que me ouça, a quem eu conte o que penso e o que sinto, e até o que receio, porque também receio, e há horas em que tremo sem saber de quê.
Ao contrário de Estela, Iaiá emana vida; suas roupas são de cores vivas, ela ri muito, debocha de tudo. Sua vida é irritar Jorge e proteger o pai. Antes da descoberta dela de Jorge, ela e Estela se davam invejosamente bem, e depois vê-las envolvidas nessa intriga era um pouco doloroso. Assim como ver que Iaiá estava se apaixonando por Jorge sabendo que ele gostava de Estela, e você torcendo por eles nessa confusão toda. Teve um outro livro de Machado de Assis que li que tudo parecia acabar bem, mas que no final não foi como eu esperava. Então quando li esse livro fiquei tão ansiosa em saber se Iaiá e Jorge ficariam juntos ou não, que li o final, só pra saber se eu poderia relaxar e parar de sofrer. Porque torcer por um casal é isso, não é? Acreditar neles e achar que eles se completam e merecem ficar juntos, e não ter muita certeza disso. 
Não se brinca com um inimigo; e ela o era, e continuará a sê-lo, porque tu estás definitivamente atado.
Pg. 181

Por que esse livro vale a pena ser lido? Bem, porque ele é um clássico. Depois porque é de Machado de Assis, um patrimônio nacional. Porque Assis é o autor mais romântico que já li. Porque é de época. Porque é lindo. E porque Jane Austen e Machado de Assis escrevem sobre uma mesma coisa. E, pra ser sincera, ler Machado de Assis é mais gostoso do que Jane Austen, e olha que eu gosto muito dela!

Obs: Por favor, gente, leem esse livro!
— Eu? — disse a moça deslaçando-se-lhe dos braços. — Eu tenho-lhe horror.
— Horror, por quê? — disse ele.

14 comentários:

  1. Oi, Vivi!
    Eu acho que os livros, não só do Machado, mas os clássicos da literatura brasileira, não são tão famosos porque sempre nos obrigam a ler na escola. Aí ficamos naquela de que o autor é chato porque a leitura se tornou chata por conta da obrigação.
    Acho que sou uma das poucas pessoas que leu Machado na escola por obrigação e amou. O livro que li foi Dom Casmurro.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Porcelana - Financiamento Coletivo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza!
      É, tem isso também. :/ Mas que bom pra nós que gostamos dele, não é?

      beijos,

      Excluir
  2. Machado de Assis é uma das vergonhas que eu tenho, pois ainda não tive a vergonha na cara de ler NENHUM livro dele. :(
    Até tentei ler Dom Casmurro, mas, admito, achei um saco, a leitura não fluiu em nada e eu deixei pra lá, mas não vou desistir!! hahah Já até comprei Memórias Póstumas, que assim que eu arrumar um tempinho lerei.
    Mas também preciso admitir outra coisa: você falar do lado "Jane Austen" dele só me desanimou, pois ela é outra na qual também não consegui me adaptar. Tentei ler dois livros dela e não consegui sair nem da páginas 100, aff hahahh

    Mago e Vidro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkk, por isso que eu falei que a leitura de Jane Austen é mais chata que Machado. Eu acho que ele é mais leve, kkkk. E Dom Casmurro é o único livro dele que não consegui ler. Helena, ou A Mão e a Luva ou Iaiá Garcia são os livros mais leves e divertidos do Machado.

      beijos,

      Excluir
  3. Olá :)
    Menina eu ADOREI sua resenha, eu também amo esse lado Jane Austen e li esse livro quando tinha 12 anos e fiquei apaixonada pela história, a Estela realmente é muito fria, mas Iaiá é só alegria só no final que ela começou a colocar besteira na cabeça ficando um pouco insegura, mas eu adoro essa história, recomendo também a você o romance "A Mão e a Luva" que tem o estilo meio parecido e alguns contos como "Longe dos olhos" e "A parasita azul".

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina! A Mão e a Luva também é meu preferido. Também tem Helena, mas o final não é tão bom. :) Agora Longe dos Olhos e A Parasita Azul nunca ouvi falar, mas vou procurar agora! Obrigada pela indicação, vou ler com certeza!

      Excluir
  4. Oi Viviane! Fantástico o post! Eu ainda não li Iaiá Garcia, mas amo Macho e principalmente os contos deles, ultimamente ando pegando vários de graça na Amazon!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que bom. Então você vai gostar muito desse livro!

      beijos,

      Excluir
  5. Oi
    eu nem conhecia o livro, como você disse no começo só conhecia os mais comentados, legal saber que ele escreveu também esse tipo de romance, devia ser mais divulgado, mas a história chamou a atenção e que bom que gostou e trouxe essa indicação pra gente.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois, é, Denise! Tenho esse projeto de "polularizar" mais o Machado. Espero dar certo!

      beijos,

      Excluir
  6. Oi Vivi, sua linda, tudo bem?
    Jane Austen é minha Diva literária. Eu li Machado na época do vestibular e gostei muito. Mas confesso que faz tempo, então, não lembro muito da narrativa dele a ponto de ser capaz de compará-lo a Jane. Mas realmente ele fala sobre as pessoas, os sentimentos delas, o que tem de pior, o que tem de melhor nelas, é natureza humana pura e eu adoro. Não conhecia esse livro, mas já fiquei apreensiva pelas intrigas que foram causadas. Estou torcendo pelo Jorge, não quero ele com a Estela não, risos... Não vejo a hora de ler. Adorei sua resenha!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também - enquanto lia o livro - era team Iaiá.

      beijos, Cila!

      Excluir
  7. Oiii Vivi, tudo bem????
    Eu ainda não conhecia essa obra :3 Mas já vou correr ler hahahah.
    Não porque tenha relação com jane (que eu conheço pouco, mas odeio pacas hahhaha) e nem com romance de época que raramente me conquista :P Mas só porque é Machado mesmo hahhahah . E tenho certeza que até romance de época vai ser bom escrito por ele :)
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então corre porque você vai amar! <3

      Excluir


Obrigada por comentar no Estilhaçando Livros. Se você tiver um blog deixa seu link que vou retribuir a visita com o maior prazer.